Meu carrinho de compras
Carrinho Vazio
Rastrear minha compra
19/09/2022

Milk News 30 de Agosto, 2022

Milk News 30 de Agosto, 2022

 

1. Suplementação de vacas-leiteiras mantidas em pastagem durante o período de seca

A elevada extensão territorial em pastagens no Brasil (180 milhões de ha), associada ao menor custo de alimentação do pasto em relação ao confinamento, explica, pelo menos em parte, a maior adoção do modelo a pasto em toda a extensão nacional. Todavia, em razão da crescente expansão da agricultura em áreas de pastagens e da pressão social contra abertura de novas áreas de pastagens, o crescimento da produção de leite em pastagens ocorrerá por meio da ampliação da produtividade da terra. Nesse sentido a pecuária leiteira começa a ser atrativa economicamente quando a produção por área é superior a 4.576 litros de leite por hectare/ano. Assim, faz-se necessário compreender os fatores sazonais, de manejo e genéticos que afetam a produtividade de um sistema de produção de leite em pastagens, objetivando ampliar a produtividade da terra.

O período de seca é a fase mais crítica do sistema de produção de bovinos em pastejo. Nessa época, o rebanho bovino alimenta-se de forragem de baixo valor nutritivo, caracterizada por elevado teor de fibra indigerível e teores de proteína bruta inferiores ao nível crítico (7,0% na dieta basal), limitando o seu consumo e, dessa forma, o atendimento das necessidades nutricionais dos animais. No entanto, a maximização da utilização da fibra em detergente neutro potencialmente digestível de forragens tropicais acontece quando a dieta basal possui 10,0% de proteína bruta. Assim, entende-se que 

a suplementação proteica no período seco do ano é fundamental para a produção animal.

Acredita-se, no entanto, que a decisão quanto à suplementação deve estar, além do atendimento às necessidades dos animais, diretamente associada com a renda econômica, pois uma das razões para a baixa adoção do uso de ração concentrada pelos produtores no Brasil pode ser a escassez de cálculos da eficiência do uso de suplemento (produção de leite por kg de concentrado).

No cálculo da eficiência, observa-se que atualmente cerca de 90% dos suplementos concentrados para vacas leiteiras comercializados no Brasil possuem entre 20 e 22% de proteína bruta, e a recomendação mais comum é fornecer um kg de concentrado para cada três kg de leite produzido. Nesse contexto, supõe-se que o uso de concentrado com teores de proteína bruta mais elevados atenderia à exigência em proteína bruta, mas não atenderia à necessidade energética das vacas em lactação de média produção a pasto. Mas espera-se que o aporte de proteína para o rúmen estimule a degradação ruminal, levando o animal a consumir mais forragem que possui uma energia latente, e essa energia supriria a exigência nutricional de vacas de média produção.

Assim, o estudo realizado pela EMBRAPA visou avaliar o consumo de matéria seca, a resposta produtiva e econômica de vacas da raça Girolando mantidas em pastagem de Tifton 85 durante o período de seca e recebendo suplementação proteica com diferentes níveis de proteína bruta. O trabalho concluiu que para vacas da raça Girolando sob pastagem de Tifton 85 no período seco do ano, verifica-se que os fornecimentos de suplementos proteicos proporcionaram um efeito substitutivo e a suplementação proteica com 40,0% de PB se 

mostrou mais eficiente em termos produtivos e econômicos.

 

Fonte original: Suplementação proteica de vacas leiteiras mantidas em pastagem de Tifton 85 durante o período de seca, de R.M.A. Teixeira., et al 2019.

Adaptado por: Lucas Carnio de Siqueira Branco: Graduando em Medicina Veterinária, Estagiário do Departamento de Serviços CRV.

 

2. Parceria CRV e CTA Bravo

Com a tradição e experiência da CRV Brazil em parceria como o CTA Bravo, o curso de inseminação artificial é oferecido a todos os públicos com o intuito de capacitar o aluno para a realização dessa importante biotecnologia da reprodução que promove relevantes ganhos genéticos, produtivos e financeiros, além de explorar fatores importantes de manejo, gestão e tomada de decisões, fundamentais para a eficiência produtiva. Nossa estrutura permite a prática intensiva da técnica, com mais de 60 animais disponíveis, instrutores certificados e a certeza de uma experiência única!

O conteúdo do curso abrange:

  • Vantagens da Inseminação Artificial;
  • Anatomia e fisiologia reprodutiva dos bovinos;
  • Informações sobre reconhecimento de cio e horário de IA;
  • Descongelamento e manipulação do sêmen;
  • Aprimoramento da técnica de IA;
  • Informações sobre manejo e índices zootécnicos;
  • Noções básicas sobre programas de IATF;

 

Informações importantes:

  • O curso possui carga horária de 32h;
  • Turma máxima de 14 pessoas para realização do curso;
  • Não haverá reembolso da inscrição caso o aluno cancele com menos de 10 dias do início do curso;
  • Hotel e jantar por conta do participante;
  • Acesse https://ctabravo.com.br/ e confira as informações completas de valores e sugestão de hospedagem.

 

3. Touros Bateria CRV

A CRV busca cada vez mais garantir a melhor genética ao pecuarista, por isso, procura sempre por novidades para sua bateria de reprodutores. Na edição desta semana, o destaque de touros fica por conta dos reprodutores, CACIQUE 2B, HERCULES FIV, DELTA BEACHER e DELTA JUPILER que você confere a seguir:

 

CACIQUE 2B

Touro de linhagem GERENTE FIV DE BRAS. X POESIA FIV DE BRAS., Cacique é um touro A2A2. Família consagrada na raça Gir leiteiro. Trará aumento na produção de leite. Pedigree aberto.

 

HERCULES FIV

Touro de linhagem JAGUAR TE DO GAVIÃO x NIVIA FIV F. MUTUM. Hercules é um touro A2A2. Família consagrada na raça Gir leiteiro. Trará maior padronização da produção e aumento na produção de leite com menor taxa de descarte.

 

DELTA BEACHER

Touro de linhagem ESPERANTO x VH SKEPPARGARD BOOKEM BUBBEL,  Beacher é um touro recomendado para sistemas intensivos. Touro que trará elevada produção de leite, redução de CCS com úberes e cascos saudáveis e fertilidade. Touro capa preta indicado para cruzamento, excelente úbere e pernas, além de trazer redução de custos alimentares.

 

DELTA JUPILER

Touro de linhagem AMIGO x SNOWFEVER, Jupiler é recomendado para sistemas semi-intensivos. Trará muito leite com redução de 

custos alimentares. Capa preta, indicadíssimo para novilhas e fertilidade. Destaque para úbere, força e tipo funcional.

 

AGENDA:

20/08 a 28/08 – Expogenética

29/08 a 01/09 – Curso IA – CTA Bravo

27/08 a 04/09 - Expointer